O ator e diretor argentino Mario Vedoya veio a Roma, de 14 a 28 de março, para realizar um workshop de interpretação de duas semanas e, no dia 18 de março.

Trabalhamos com a peça em ato Fala comigo doce como a chuva, de Tennessee Williams.

O primeiro encontro com o Mário ocorreu em São Paulo, no fim de 2015, durante workshop no Instituto Cultural Capobianco. Naquela oportunidade, começamos a explorar o universo dos personagens "homem" e "mulher". As fotos são registros de nossos primeiros contatos com Sal e Matilde. 

Além do workshop, estava prevista a realização de leitura dramática do monólogo Vacío. Escrito e dirigido por José Sanchis Sinisterra, um dos fundadores do Teatro Fronteiriço, com quem Mario colabora há mais de vinte anos, Vacío propõe uma bem humorada reflexão sobre o teatro e sobre as relações que se estabelecem entre ator, personagem e público. 

“Para mim, o teatro é o que não se diz, o que não se faz, o que não se toca e o que não se vê; portanto, o teatro é: o que não é. A grande virtude de Sanchis está em fazer com que o diálogo entre o ator e o espectador seja construído não a partir das palavras, mas dos silêncios.”, afirma Mario.

O evento, no entanto, teve de ser cancelado à última hora por conta de uma gripe inesperada e violenta.